28 de setembro de 2009

Minha vida idiota.

Post desabafo. Corra enquanto é tempo.

De um lado dizem pra que eu fique sossegada, porque tudo bem ter 24 anos e não saber o que ser da vida, tudo bem ter 24 anos e não ter absolutamente nada, que tudo bem não ter dinheiro ou ainda não ter se formado com essa idade. Bem, geralmente quem me diz isso tem emprego, se sustenta ou é filhinho de papai ou os pais ajudam e ajudam independente de qualquer coisa. Oi, minha mãe não me manda dinheiro, eu não tenho emprego e eu nem sequer sei o que eu quero ser da vida. Nem sei se ainda existe a possibilidade de um dia descobrir e certamente minha vontade era ter um mínimo de estabilidade, que eu não tenho.

De outro lado, dizem pra investir em um portifólio, acreditar em mim mesma, porque você é boa no que faz. Geralmente essas pessoas não entendem bosta de design, e sim, meus caros, eu sou uma bosta de designer que usa corel quando deveria usar ilustrator, mas isso não vem ao caso.

Aí tem um terceiro lado, que diz pra eu estudar e passar em concurso público, que inclui a parte racional de mim, minha família (duas irmãs trabalhando em emprego público) e alguns amigos que também estudam pra concurso.

Tem outro lado que diz pra eu arrumar qualquer emprego de merda só pra pagar as contas e ficar feliz sabendo que eu poderia estar num lugar melhor, porque oi, inteligente eu sou, e inteligente pra caralho. Mas a idéia de trabalhar com gente que possui um intelecto inferior ao meu, fala errado e o maior divertimento é assistir Faustão aos domingos me dá engulhos, porque eu já fiz isso e não, não gosto. E desculpa se eu pareço arrogante, mas pra certas coisas eu sou, sim.

E no meio de todas essas vertentes de idéias e sugestões tem eu. Tem eu com o coração apertado. Tem eu que se arrepende até a morte do curso que fez. Tem eu que não sabe pra onde ir e tem que ouvir sugestões bestas de todos os lados de pessoas que nem ao menos sabem das minhas reais qualidades e sim, isso inclui alguns dos meus amigos. Que pelo fato de eu desabafar com eles, falar merda, fazer piada, acreditam que eu não passo de uma boba-alegre-burra.

E aí eu ouço minha ex-professora de teatro me abraçar, dizer que eu sou uma puta pessoa, que ela me ama, que eu escrevi um dos textos mais lindos que ela já leu, que eu não tenho que fazer o que agrada aos outros, mas sim o que me agrada, que eu sou foda e que etc.

Mas Deus, se eu soubesse o que fazer, mas eu não sei! Se eu tivesse um dom, ou ao menos um foco, mas eu não tenho! Se eu soubesse o que eu quero!

No fundo eu sei que minha mãe é uma frustrada porque a filha dela já não tá fazendo grana e ainda não se formou e ela vê as filhas das outras pessoas que tem a minha idade e estão melhores que eu e me acha uma loser. Eu sei. Ela nunca vai dizer e nem precisa. As míseras atitudes dela provam isso. E se ela não me manda dinheiro é porque acha que fazendo isso está ajudando no meu crescimento. Ironia ou não, as pessoas mais bem sucedidas que eu conheço tiveram o apoio e incentivo incondicional dos pais e não interessa se tinham 10 ou 30 anos.

Mas a gente não escolhe a família que vai ter e a gente não sabe no que a gente vai se transformar com 24 anos quando a gente tem 15. A gente só sonha que vai ser uma pessoa bem sucedida. E o que a gente faz quando chega lá e não é? Entra numa máquina do tempo e volta pra poder mudar as escolhas erradas que fez, uma a uma? Existe uma solução pra alguém que não sabe aonde quer chegar? Não, não tem. E eu não sei aonde quero chegar já faz tempo. E acho que não vou chegar a lugar algum e vou ser uma eterna infeliz. Agora, por que cargas d'água eu nasci, já que eu posso até mudar a vida de outras pessoas mas a minha eu não consigo, é uma bela questão pra fazer pra Deus, se algum dia porventura eu vier a conhecê-lo pessoalmente.

2 comentários:

Pitango disse...

só não desista!

jeffrey disse...

ainda que isso não te ajude mto, entendo oq vc diz. e tb me dá engulhos aquilo ali. e po! tb nao uso o ilustrator! =(