19 de outubro de 2008

Cortei os pulsos dela.

Estava eu alegre, serelepe e faceira tomando banho e brincando de inventar músicas com frases aleatórias que me vinham na cabeça. Aí veio: eu cortei os pulsos dela. Inventei umas riminhas bobas pra combinar e de tão alegre, serelepe e faceira que eu tava, baixei uma programinha e gravei a bagaça. Sou praticamente uma criança, entende? Enfim que o volume deve estar meio baixo porque eu não sei fazer essas paradas. Mas divirtam-se com meu poeminha bobinho. =P

Eu cortei os pulsos dela.

Gemeu no chão feito cadela.

Eu cortei os pulsos dela.

Quando a vi debruçada na janela.

Eu não suporto vê-la,

Comprando morangos toda sexta-feira, na feira, na feira, na feira...

Eu cortei os pulsos dela.

Gemeu no chão feito cadela.

Eu cortei os pulsos dela.

Eu não suporto vê-lo ao lado dela.

Eu quero que ela morra,

Eu quero que ela sofra.

Quero fazer uma sopa,

Uma sopa,

Com os cotovelos dela.

Eu cortei os pulsos dela.

Gemeu no chão feito cadela.

Eu cortei, eu cortei, eu cortei,

Eu cortei os pulsos dela.

Não me arrependo, não me arrependo,

Pelo menos,

Até chegar a primavera.

2 comentários:

Pitango disse...

Adorei, lembrou um pouco Wally Salomão, não sei pq...
Abção

Pitango
http://lenfantdeboheme.blogspot.com/

Luis Felipe disse...

ei, não foi a mel q vc cortou os pulsos, foi???
achei q o "gemeu feito cadela" ficaria perfeito nesse caso...

huahauahuahauah