18 de fevereiro de 2009

Poeminha triste.

Eu choro e hoje a culpa não é do tempo nublado.

Hoje faz sol, não posso por a culpa nele que é tão feliz e não pára de brilhar.

Eu hoje choro por aquela curva que o meu sucesso fez, deixando que eu caminhasse sozinha por uma estrada que eu não conhecia, junto do meu fracasso.

Meu sucesso, em determinado dia, olhou-me nos olhos e disse: eu cansei de caminhar com você.

Chamou-me de lerda, de atrasada, de orgulhosa e arrogante.

E deixou-me lá, a beira do abismo.

Obriguei-me a agarrar as mãos do fracasso pra não cair.

E nunca mais consegui soltar.

Seja por medo, preguiça ou por não querer ficar sozinha.

Onde quer que eu vá, levo meu fracasso, andamos de mãos dadas.

E por vezes ele me faz chorar, feito hoje.

Mas não posso reclamar por ele ser tão estúpido e insensível.

Pelo menos ele é fiel.

Um comentário:

José Augusto disse...

o fracasso não é mais para vc, e hora de sua flor desabrochar e ser levada pelo vento, apenas com a coragem, que esse algo novo a de surgir.Não tenha medo do difenrete e do desconhecido. nada que o tempo não cure.não ha dor sem fim.
E no meio disso tudo, veja oque aprendeu, oque sentiu, fui tudo maravilhoso não?outros sinais gostos,toques e cheiros estão por ver... basta deixar eles entrarem...
Sei lá
falando besteira!
Mas te desejo força para oque vc achar melhor para vc!